Sempre que discutimos possíveis aplicações do blockchain os primeiros cases lembrados são os referentes ao setor financeiro, seguido pelo registro de documentos e o rastreio de produtos em cadeias de suprimentos. Isto acontece porque estes são os casos mais bem explorados até aqui e que já deram origem a startups e projetos pilotos por parte de grandes empresas.

Entretanto, conforme destacaram os professores Christian Catalani do MIT e Joshua S. Gans da Universidade de Toronto no artigo Some Simple Economics of the Blockchain, estamos falando da emergência de uma nova tecnologia de propósito geral. Ou seja, assim como aconteceu com a internet, a eletricidade e o vapor estamos vendo apenas o início da exploração do uso do blockchain e é praticamente impossível imaginarmos a variedade de usos que veremos nas próximas décadas.

Neste texto, por exemplo, iremos explorar o uso do blockchain em um campo que não tem sido tão debatido pela mídia: a educação.

O ABC do Blockchain

Existem muitas iniciativas educativas explorando blockchain como conteúdo: cursos a respeito de investimento em criptomoedas, desenvolvimento de contratos inteligentes ou sobre como configurar uma blockchain privada. Mas a oferta de soluções para o mercado educacional baseadas na tecnologia blockchain ainda são raras e as existentes estão em fase inicial de implantação.

Alguns dos possíveis usos de blockchain na educação segundo o relatório da comissão europeia são: conferir licenças ou qualificações, gerenciar registros dos estudantes, gerenciar propriedade intelectual e pagamentos.

Ainda segundo este relatório, mesmo sendo algo extremamente novo, o uso de blockchain na educação irá provavelmente promover uma disrupção no mercado de sistemas de informação estudantil. Entre as mudanças que poderemos presenciar em um futuro próximo estão:

  • Aceleração do fim dos certificados emitidos em papel;
  • A possibilidade de validar um certificado direto na blockchain;
  • O rastreio automático de citações de artigos ou do uso de materiais didáticos;
  • Redução dos custos de armazenamento e gerenciamento de dados educacionais;
  • Uso de criptomoedas para financiar estudos.

Vamos analisar a seguir alguns dos possíveis cenários de uso de blockchain na educação buscando exemplos de iniciativas no Brasil e no mundo.

Registro de Diplomas e Certificados em Blockchain

Quando falamos em blockchain na educação o case mais conhecido é o de registrar diplomas na blockchain. Isto permite, entre outras coisas, que um candidato a uma vaga compartilhe seus certificados, que um possível contratante verifique os certificados diretamente na rede e que o processo de falsificar um certificado seja mais difícil do que é hoje. Este é um case particularmente importante para o Brasil pois todos os anos chegam centenas de denúncias à Polícia Federal de profissionais atuando com diplomas falsos.

Uma das soluções mais avançadas para o registro de diplomas e certificados é o padrão aberto Blockcerts criado pela Learning Machine em parceria com o MIT Media Lab.

No Brasil a empresa Meu Diploma Digital em parceria com a A Star Labs também oferece o serviço de registro de diplomas em blockchain. Aliás, ambas as soluções fazem o registro na rede pública do bitcoin.

Registro de Toda a Vida Acadêmica na Blockchain

Mas, por que registar apenas certificados e diplomas? Uma blockchain permite que a nota obtida em cada avaliação de uma disciplina seja registrada. O aluno pode ter uma cópia de toda a sua vida acadêmica em seu bolso o que eliminaria a burocracia na hora de solicitar uma segunda via do histórico escolar e facilitaria o processo de transferência de uma instituição para outra.

Além disso, como todos os registros sendo compartilhados, seria possível ao Governo ou as próprias instituições de ensino traçarem planos educacionais com base em dados confiáveis e atualizados: números de faltas, números de abandono, número de alunos com notas vermelhas por disciplina, quantidade de formandos em cada série etc. Um país onde parte disto já se tornou realidade é a Estônia.

Dar Segurança e Confiabilidade à Provas e Concursos

Blockchain também para aumentar a segurança na realização de uma avaliação nacional como o ENEM. Uma medida simples como o registro do cartão resposta na blockchain já evitaria fraudes como alteração das respostas do aluno após a conclusão da prova.

Neste ano durante o 5º Desafio Global de Matemática (5) que terá início no dia 1º de dezembro será testada pela Sony Global Education em parceria com a IBM uma solução baseada em blockchain para registro dos resultados de cada participante. O Desafio Global de Matemática nas suas últimas quatro edições contou com a participação de mais de 250 mil pessoas de 85 países diferentes.

Isto irá provar que blockchain pode ser aplicada em concursos e vestibulares para evitar fraudes e dar mais confiabilidade ao processo. Além de permitir a análise dos resultados via Big Data.

Conclusão

Em um mundo cada vez mais globalizado, a possibilidade de ter diplomas ou certificados emitido em blockchain é extremamente interessante tanto para trabalhadores quando empregadores. Isto eliminaria a burocracia exigida hoje para validar ou requerer a segunda via de um diploma, e reduziria o problema de falsificação de diplomas e certificados.

Além disso o uso de blockchain em sistemas de informação estudantil permitirá que toda a vida acadêmica de uma pessoa seja registrada e compartilhada facilmente. O que abre inúmeras possibilidades em termos de seleção de candidatos para uma vaga de emprego ou para a oferta de cursos personalizados.

Estamos assistindo ao começo de uma revolução na educação e muitas oportunidades de negócio irão surgir para quem investir neste mercado, seja como estudante ou como empreendedor.